Portais da Cidade

Notícias na Santa Ifigênia

Listando: 6 à 10 de 1172
Veja todos os livros recomendados por Bill Gates em 2020

A seleção do fundador da Microsoft traz algumas obras mais reflexivas, que vão de histórias de guerra até contextos de epidemias do passado, e também inclui títulos para distração em um ano difícil

Com o isolamento social, muitos se voltaram aos livros em 2020. Bill Gates fez o mesmo e, como de costume, compartilhou listas de indicações de leituras ao longo do ano.

A seleção do fundador da Microsoft traz algumas obras mais reflexivas, que vão de histórias de guerra até contextos de epidemias do passado, e também inclui títulos para distração em um ano difícil, com temas como viagem no tempo e carreira.

O Link reuniu abaixo todas as indicações de livros feitas pelo bilionário ao longo de 2020. Anote as sugestões - mesmo que as leituras fiquem para 2021!

The Choice
O livro de Edith Eva Eger conta a história real de uma bailarina que foi enviada, junto com a sua família, para um campo de concentração em Auschwitz pelo exército Alemão. Depois de sobreviver aos traumas, ela se muda para os Estados Unidos e se torna uma terapeuta, ajudando outras pessoas em tratamento.


Páginas: 304

Preço: R$ 45

Cloud Atlas
Este romance de David Mitchell aborda seis histórias diferentes que se passam ao longo dos séculos mas todas com um ponto em comum: estão conectadas através do tempo. Segundo Gates, "é o tipo de romance que você vai pensar e falar por um longo tempo depois de terminar".

Páginas: 544

Preço: R$ 83

The Ride of a Lifetime
Considerado um dos melhores livros sobre negócios que Gates já leu, The Ride of a Lifetime é uma grande explicação de Bob Iger sobre como ele assumiu o controle da Disney, substituindo Michael Eisner. No livro, Iger conta o que gosta no mundo dos negócios e como atravessou períodos de mudanças e desafios com a Disney.

Páginas: 272

Preço: R$ 201

The Great Influenza
Seguindo as dicas em tempos de covid-19, Gates incluiu em sua leitura regular um livro de John M. Barry, que conta sobre a epidemia de gripe espanhola em 1918. Na obra, o autor aborda aspectos do surto e como a doença se espalhou dos Estados Unidos para a Europa, em um contexto de guerra.

Páginas: 608

Preço: R$ 60

?Good Economics for Hard Times
O livro Good Economics for Hard Times ainda pode ser uma boa leitura sobre como a economia pode ser acessível para pessoas não especializadas no assunto. As análises econômicas dos professores Esther Duflo e Abhijit V. Banerjee, do Massachusetts Institute of Technology (MIT) são muito elogiadas e Gates destaca a abordagem do livro sobre "desigualdades e divisões políticas, em debates sobre políticas que estão na vanguarda em países ricos como os EUA".

Páginas: 432

Preço: R$ 220



The New Jim Crow: Mass Incarceration in the Age of Colorblindness
O livro da escritora Michelle Alexander mostra como o sistema de justiça criminal trata as pessoas negras de forma diferente e explica as histórias e os números por trás do encarceramento em massa.

"Terminei o livro mais convencido do que nunca de que precisamos de uma abordagem mais justa para condenações", comentou Gates.

Páginas: 374

Preço: R$ 64

Range: Why Generalists Triumph in a Specialized World
Nesta obra, David Epstein argumenta que embora o mundo pareça exigir cada vez mais especialização - na carreira, por exemplo - o que realmente precisamos é de mais pessoas "que começam de forma ampla e abraçam diversas experiências e perspectivas enquanto progridem". Gates comenta que o livro ajuda a explicar inclusive parte do sucesso da Microsoft, que focou na contratação de pessoas com esse perfil. "Se você é um generalista que já se sentiu ofuscado por seus colegas especialistas, este livro é para você", recomendou o bilionário.

Páginas: 336

Preço: R$ 50

The Splendid and the Vile: A Saga of Churchill, Family, and Defiance During the Blitz
O livro de Erik Larson traz um relato dos anos 1940 e 1941, dos bastidores da Segunda Guerra Mundial no Reino Unido. "O medo e a ansiedade que sentiram, embora muito mais graves do que o que estamos experimentando com a covid-19, soaram familiares", disse Gates sobre a obra.

Páginas: 324

Preço: R$ 60

The Spy and the Traitor: The Greatest Espionage Story of the Cold War
Outra indicação do bilionário é um livro de não ficção do autor Ben Macintyre, que conta uma história de uma espionagem na Guerra Fria. "É tão emocionante quanto meus romances de espionagem favoritos", comentou Gates.

Páginas: 448

Preço: não disponível

Breath from Salt: A Deadly Genetic Disease, a New Era in Science, and the Patients and Families Who Changed Medicine
Este livro da escritora Bijal P. Trivedi documenta uma história de inovação científica no tratamento de uma doença genética misteriosa. "Suspeito que veremos muitos mais livros como este nos próximos anos, à medida que milagres biomédicos estão saindo de laboratórios em um ritmo cada vez maior", disse Gates.

Não disponível em português

(Fonte: Redação Link - Estadão) - 30/12/2020
E o Cyberpunk 2077 é um sucesso… comercial

Enquanto parte dos jogadores lamentam o atual estágio do Cyberpunk 2077, a CD Projekt comemora o desempenho comercial impressionante que o jogo alcançou

A espera chegou ao fim. Depois de oito longos anos em desenvolvimentos e vários adiamentos, milhões de pessoas em todo o mundo já estão jogando um dos títulos mais aguardados da década, mas enquanto a CD Projekt conta as moedinhas

oriundas de uma campanha de pré-venda extremamente bem sucedida, boa parte daqueles que optaram por entrar no mundo do Cyberpunk 2077 neste primeiro momento não tem relatado experiências muito satisfatórias.



Cyberpunk 2077
Foto: Meio Bit

Mas vamos começar pelo lado dos negócios e neste sentido, a editora polonesa só tem motivos para comemorar. Com mais de oito milhões de cópias vendidas antes mesmo do jogo ser lançado, dessas vendas, dois terços haviam sido feitas de maneira digital, o que significa que a margem de lucro da empresa foi maior. E para deixar a situação ainda melhor, duas semana antes o título já havia ultrapassado a marca de US$ 50 milhões no Steam, o que garantiria 80% de royalties na plataforma da Valve.

Então, no mesmo dia em que o Cyberpunk 2077 foi liberado para o público (10/12), a empresa publicou um documento em que explicava um pouco melhor o quão bem-sucedido o jogo já era. Em um trecho eles dizem:

"O conselho de administração da CD Projekt S.A., com um escritório registrado em Varsóvia, anuncia por meio deste que os royalties de licenciamento estimados a receber pela empresa, em associação com a pré-venda do Cyberpunk 2077 em todos os canais de distribuição, excederam a soma das despesas totais de desenvolvimento, e os custos promocionais e de marketing para o jogo suportados pela empresa — já incorridos ou previstos para o restante de 2020."

Ou seja, além da CD Projekt ter recuperado todo o valor investido antes mesmo do Cyberpunk 2077 sair, como 59% das vendas foram feitas para PC, eles ainda conseguiram emplacar o maior lançamento da história da plataforma, superando com larga margem as 3,5 milhões de cópias registradas recentemente pelo World of Warcraft: Shadowlands.

Outro fator que mostra o interesse que o jogo despertou nas pessoas pôde ser visto no Steam, onde mais de um milhão de pessoas estiveram jogando simultaneamente logo após a sua disponibilização. O número se torna ainda mais impressionante quando sabemos que o recorde anterior para um jogo single-player era do Fallout 4, com pouco mais de 470 mil jogadores.

Já para aqueles que trabalham na CD Projekt Red, a boa notícia é que a editora mudou o seu sistema de bonificação. Antes esse pagamento era baseado na data de lançamento e na pontuação que o jogo recebia por parte da mídia especializada, mas devido a enxurrada de problemas que o Cyberpunk 2077 tem enfrentado, isso não será mais levado em consideração e assim os profissionais terão direito a 10% do faturamento anual da empresa.

Enquanto isso, do lado do consumidor…
Mesmo que você ainda não tenha começado a jogar o Cyberpunk 2077, provavelmente tem visto muitas pessoas reclamando bastante sobre o atual estado do título, principalmente quando quem está jogando, tem feito isso nos consoles da oitava geração. Mesmo com as promessas feitas pela empresa de que o jogo estava rodando muito bem no PlayStation 4 e no Xbox One, bastou ele chegar nas mãos dos jogadores para descobrirmos que isso não poderia estar mais longe da realidade.

De problemas de colisão a glitches, passando por texturas completamente borradas, uma cidade com bem menos pessoas nas ruas, efeitos de física absurdos e personagens sem animação, encarar a criação da CD Projekt em um dos videogames lançados em 2013 é invariavelmente ter que conviver com um show de horrores. Quer uma breve demonstração? Então veja isso:

Há também analises mais aprofundadas, como esta do competentíssimo pessoal do Digital Foundry, mas mesmo as versões mais fortes dos consoles da Sony e da Microsoft não estão livres de problemas. Tendo encarado o início do jogo em um Xbox One X, não precisei de muito tempo para me deparar com glitches, quedas imensas na taxa de frames por segundo, além de constantes travamentos que aparentemente aconteciam sempre que partes do jogo estavam sendo carregadas. Isso sem falar em até mesmo a falta de tradução — por mais incrível que pareça — no tutorial:

É claro que ninguém era inocente a ponto de achar que em máquinas mais modestas o jogo teria um desempenho parecido com a de um PC moderno, mas aquilo que nos foi entregue é simplesmente absurdo. Ficou muito claro que além do estúdio não ter sido transparente em relação ao desenvolvimento, o tempo adicional dado pelos vários adiamentos não foi o bastante para dar o polimento que o título precisava.

Pois diante da tantas reclamações e percebendo como isso estava manchando a imagem da empresa, a CD Projekt soltou um comunicado através do Twitter onde admite que erraram ao não mostrar o Cyberpunk 2077 rodando nos videogames mais antigos e que eles deveriam ter prestado mais atenção no estado do jogo. Além disso, a nota ainda garante que eles corrigirão os bugs e melhorarão a performance geral, com isso acontecendo através de dois grandes patchs: um estando previsto para janeiro e o outro para fevereiro de 2021.

Por fim, a empresa ainda afirma que um dos objetivos deles é garantir que as pessoas estejam satisfeitas com suas compras e que por isso, aqueles que não quiserem dar um voto de confiança ao estúdio e esperar por tais atualizações podem pedir o reembolso, seja da versão digital, seja da física. Eles inclusive criaram um email para ajudar aqueles que se sentiram lesados, o helpmerefund@cdprojektred.com.

Dado o histórico da empresa, acredito que os profissionais que por lá estão conseguirão resolver boa parte dos problemas que temos visto, mas tenho dúvida de até onde será possível melhorar o jogo nos consoles base. Mas mesmo que isso um dia venha a acontecer, é lamentável vermos mais um grande lançamento que chegou às lojas com tantos problemas e se tem uma coisa pela qual a geração passada deveria ser lembrada, é por essa prática ter se tornado tão comum.

Da minha parte, acho que o melhor a fazer é esquecer o Cyberpunk 2077 por um tempo e deixar para experimentá-lo quando algumas atualizações chegarem, torcendo para que a experiência se torne bem melhor do que aquilo que temos atualmente.

(Fonte: Dori Prata - VG247.) - 14/12/2020
GoPro Hero 9 Black: melhorando ainda mais o que já era bom

A nova GoPro Hero 9 Black traz tela frontal de verdade, display traseiro maior, mais autonomia e preço que também cresceu



GoPro Hero 9 Black (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Mais um ano chegando, mais uma GoPro com muita promessa por dentro e pouca mudança do lado de fora. Esse seria um começo recorrente de review para essa câmera, mas a GoPro Hero 9 Black muda um pouco dessa regra. Pensando bem, ela muda bastante.

A parte externa é justamente a maior mudança desde a Digital Hero 5 de 2008, já que a tela frontal finalmente pode ser utilizada como tela de verdade, indo além de apenas um display que informa o modo selecionado e outros dados. A Hero 9 Black também entrega vídeo em 5K, melhorias na estabilização digital, está maior e mais gordinha, prometendo até resolver um dos maiores problemas de toda GoPro: a autonomia.

Será que todas as promessas são cumpridas no mundo que existe fora dos laboratórios da empresa? A telinha na frente muda tudo, de verdade? Eu te conto minha experiência, em tempos de pandemia, nos próximos parágrafos.

Análise da GoPro Hero 9 Black em vídeo



Aviso de ética
O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão, desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. A GoPro Hero 9 Black foi fornecida pela GoPro por empréstimo por tempo indeterminado. O produto será usado em conteúdos futuros antes de ser devolvido à empresa.

Design



GoPro finalmente ganhou uma tela frontal de verdade (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Começando logo de cara: finalmente a GoPro colocou uma tela de verdade na parte da frente. Esse recurso meio que já existia desde a Digital Hero de 2006, que foi quando a GoPro deixou de utilizar filme de 35 milímetros. É, a primeira GoPro era analógica, só fazia fotos e usava filme. Daqueles de revelar, sabe?

Voltando para a telinha, ela estava lá na frente, mas sempre foi utilizada apenas como um atalho pra mostrar dados como a função de captura das imagens, quanto tempo ainda tem para filmar, quantas fotos pode bater e até o nível de

bateria. Dessa vez a empresa olhou o que a DJI fez com a Osmo Action e seguiu a mesma ideia. Agora todas as pessoas podem fazer tudo que eu já falei nas linhas acima, com a adição de ver se o enquadramento está correto.

O tamanho da tela frontal é bem pequeno, com 1,4 polegada, ela não tem nenhum controle por toque e a proporção é quadrada. Você pode muito bem ajustar a proporção para 16:9, mas a utilizada por padrão por conta do tamanho físico do display me deixa mais seguro se eu quero meu rosto no meio do vídeo.

Também é possível poupar bateria desligando essa tela, ou então voltando sua função para exatamente a mesma coisa que faziam as gerações anteriores: mostrar informações para o usuário, sem selfie. Outro detalhe para economizar energia está na taxa de quadros por segundo, que é menor no segundo display.



Acessórios podem ser fixados na própria câmera (Imagem: André/Fogaça)
Foto: Tecnoblog

Além da tela, pouco muda nessa GoPro se você acompanha os modelos desde a Hero 5. Ela continua à prova dágua sem necessidade de um case externo, o corpo ainda é super resistente aos perrengues da vida e ele continua com suporte para todos os acessórios já lançados para as GoPros, daqueles que utilizam as travas e elas que continuam embutidas na própria câmera, como aconteceu na Hero 8. Por outro lado, a tela traseira está maior e a lente volta a ser removível, como era na Hero 7 Black.



GoPro tem saída para água do microfone (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Outro detalhe que chama atenção na Hero 9 é a presença de uma espécie de alça junto do botão liga/desliga. Eu automaticamente tentei abrir de todas as formas, até que descobri, na página de suporte da GoPro, que essa área é utilizada para drenar a água que entra no microfone quando a câmera mergulha. A ideia é para deixar a água sair mais rapidamente e isso meio que funciona bem.



Bateria continua removível na GoPro Hero 9 Black (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Fechando a parte externa, a GoPro Hero 9 Black está mais pesada e tem corpo maior. Tudo isso é resultado da bateria que também é maior. Isso significa que a autonomia aumentou, mas também é sinônimo de que a nova câmera não encaixa em cases feitos pras gerações anteriores.

Ah, tem mais uma coisa: nessa geração a GoPro trocou a caixa que acompanha a câmera por um case com zíper, que comporta todos os acessórios que são enviados com ela. Com a mudança, a embalagem deixa de ser apenas um lixo extra para o caminhão levar e vira útil de verdade, protegendo a câmera e livrando o mundo de mais plástico. Ideia bacana e que deveria ser seguida por outras empresas.



GoPro Hero 9 Black abandona caixa tradicional e adota estojo (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Vídeos e fotos
Começando de forma bem resumida, dá para avaliar esse modelo como a melhor câmera de ação que a GoPro já fez. Por aqui existe um novo sensor de 23,6 megapixels e que faz filmes em até 5K, com 30 quadros por segundo.



Filmagens podem ser em até 5K (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Além deste número enorme, dá para filmar em 4K em até 60 quadros por segundo, 2,7K em 120 fps ou então Full HD em 240 quadros para fazer câmera lenta bem fluida. O resultado das imagens é meio que o esperado para uma GoPro. A saturação é elevada, mas é possível diminuir nos ajustes internos. O alcance dinâmico é muito bom e tudo isso funciona dessa forma se você está em ambiente bem iluminado.



Foto tirada com a GoPro 9 Black (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog



Foto tirada com a GoPro 9 Black (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

De noite o granulado aparece com força em vídeos e fotos, o que não é bem uma novidade nas GoPros. Nessas situações, as capturas de imagens também acontecem de forma menos veloz, ficando ainda mais lenta que o tempo necessário pro trabalho do HDR acontecer durante o dia - ele leva mais de um segundo, é chato quando nos smartphones isso acontece em background.



Foto tirada com a GoPro 9 Black (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Se na qualidade final do vídeo a GoPro não tenta reinventar a roda com a Hero 9, na estabilização ela faz ainda mais que no modelo anterior. Por aqui, na terceira geração, o HyperSmooth ainda não te deixa abandonar um gimbal mecânico de verdade, mas diminui consideravelmente os movimentos. Isso acontece até mesmo quando eu desci uma escada correndo, sem pensar em suavizar as passadas.

Olhos treinados ainda percebem a imagem balançando um pouco enquanto eu caminho, mas notei que andando de bicicleta, que não é a coisa mais firme do mundo, a sensação era de estabilidade total. Dá para ver o cestinho trepidando, o guidão também e a gravação segue como se fosse um gimbal mesmo. Nesse dia eu só segurava a câmera com a mão, sem nenhum acessório ou coisa do tipo.



Foto tirada com a GoPro 9 Black (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Existe uma ferramenta de nivelamento de horizonte que também impressiona pelo que faz. Claro que ela não é infinita, mas ajuda bastante quando você segura a câmera na mão e não quer o horizonte torto. Esse tipo de trabalho já era feito na edição pelo app da empresa, mas na GoPro Hero 9 ele acontece em tempo real, na câmera mesmo.

O Time Warp também foi reforçado nesse modelo e ele une um time lapse da vida com a estabilização do HyperSmooth 3.0, criando momentos onde a imagem pode ter a velocidade normal ou então em câmera lenta. O resultado final é bem bacana e, assim como o nivelador de horizonte, todo o trabalho é feito diretamente na GoPro.



Foto tirada com a GoPro 9 Black (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Bateria
Tudo isso consome bateria. Junte tela maior e um display secundário com mais funções, e a energia deveria ir para o ralo com mais velocidade, né? Então, a GoPro promete autonomia 30% maior na Hero 9 quando comparada com a Hero 8. Eu não cheguei a notar tanto tempo extra, mas percebi que meu uso durante o review, que envolve ligar a câmera, gravar ou fotografar, parar de gravar e desligar novamente, tudo isso sem conexão Wi-Fi ativada, mas com esse recurso ligado na hora

de ver o resultado no iPhone. ao final do dia, me deu quatro dias longe da tomada.

É pouca coisa além do que eu já conseguia com a Hero 8, que tem tela menor e o display secundário consome muito menos energia. Então, é bom! A autonomia ainda é baixa demais e isso faz sentido por acontecer em uma bateria tão pequena, mas a GoPro Hero 9 Black finalmente melhorou neste ponto.

Mesmo com o ganho em tempo de filmagem, ainda é inteligente ter uma bateria secundária se você filma demais, já que ela é removível. Outro detalhe que me chamou atenção é que a GoPro Hero 9 esquentou menos que os modelos anteriores. Isso também é ótimo.

Vale a pena?



GoPro Hero 9 Black (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

Bom, sempre ter uma GoPro nova é bacana por conta dos recursos que chegam com ela. A resolução 5K é interessantíssima para dar fôlego extra no corte da edição, a estabilização é fantástica, a Hero 9 continua à prova dágua mesmo sem case externo, o corpo ainda é aquele resistente o suficiente para sobreviver nas quedas da vida e a lente intercambiável volta a permitir o uso de filtros, ou mesmo a Max Mod, que é vendido separadamente e aumenta ainda mais a estabilização das filmagens.

Mas, sério, a cereja do bolo é a telinha da frente para ajudar no enquadramento de quem se filma. Não só isso, mas também para ajudar quando você gruda a GoPro Hero 9 em um local e quer saber como será a gravação, sem a necessidade de fazer isso pela conexão com o smartphone, nem se espremendo para ver a tela traseira.

Se você tem uma GoPro antiga, como a Hero 5 ou 6, é um salto generoso em muitos aspectos. Indo desde qualidade de imagem, estabilização generosa e a telinha frontal. Se ainda está com a 7 ou 8, a qualidade não cresce tanto ao ponto de justificar a troca. As gerações mais próximas são bem competentes ainda hoje.



GoPro Hero 8 Black (esq.) e GoPro Hero 9 Black (dir.) (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Foto: Tecnoblog

O problema é o preço. Eu sei que o Brasil vive um péssimo momento financeiro e o dólar disparou em 2020, subindo mais de 20% de janeiro até o começo de dezembro, mas a GoPro lá fora também não ajudou. A Hero 9 Black ficou mais cara nos Estados Unidos, subindo o custo em quase 13%. Já no Brasil a disparada foi muito maior.

A Hero 8 Black chegou aqui no segundo semestre de 2019 por R$ 2.999, já a Hero 9 Black aportou por R$ 4.899. O aumento é de quase 64%. Tá caro, tá complicado e o mercado também não ajuda. Praticamente não existe concorrência para GoPro no Brasil. A Sony não vende mais sua câmera de ação por aqui e a DJI sumiu com a Osmo Action. Sobra o mercado cinza e de importação, com preços flutuantes.

Mesmo considerando essas duas opções de compra, a GoPro Hero 8 Black já é superior aos concorrentes e a Hero 9 é ainda mais.

A GoPro Hero 8, mesmo sem a telinha frontal, é uma câmera sensacional e custa R$ 1 mil a menos. Então, fica a decisão para o seu bolso. Se você realmente precisa da melhor câmera de ação do mercado, a GoPro Hero 9 Black é a melhor escolha. Se quer gastar menos e ainda assim procura uma experiência muito boa, a Hero 8 Black é uma escolha mais sensata.

(Fonte: André Fogaça - Tecnoblog) - 14/12/2020
WhatsApp lança carrinho de compras no Brasil e mais países

WhatsApp disponibiliza carrinho de compras para usuários de todo o mundo para facilitar as vendas pelo aplicativo de mensagens

O WhatsApp anunciou, nesta terça-feira (8), o lançamento do carrinho de compras. O novo recurso chega para agilizar e facilitar as vendas através do aplicativo de mensagens com o auxílio de uma lista, onde os usuários podem colocar os produtos desejados e enviá-la para o vendedor que tenha uma conta do WhatsApp Business.


Carrinho de compras do WhatsApp (Imagem: Divulgação/WhatsApp)
Foto: Tecnoblog

O carrinho de compras expande as opções para a venda de produtos pelo mensageiro. Assim como em sites de lojas virtuais, a nova função permite que o usuário crie uma lista de produtos que deseja adquirir e envie a relação diretamente ao estabelecimento comercial, através do catálogo disponível em contas da versão do app para empresas.

"O carrinho é uma ótima alternativa para clientes enviarem seus pedidos a empresas que vendem vários itens, como restaurantes ou lojas de roupas", anunciaram. "Com o carrinho, as pessoas podem explorar o catálogo, selecionar diversos itens e enviar o pedido por mensagem para a empresa".

O mensageiro ainda disponibilizou uma nova figurinha com o tema de carrinho para o pacote global de stickers destinado a empresas, o "Open for Business" ("Aberto para negócios", em tradução livre).

Como usar o carrinho de compras do WhatsApp?
O carrinho de compras chegou aos usuários de todo o mundo nesta terça-feira (8), de acordo com o mensageiro. Para utilizá-lo, basta acessar o catálogo de produtos e escolher os itens desejados, como demonstrado no procedimento a seguir:

Na conversa com alguma conta do WhatsApp Business, acesse o catálogo, caso esteja disponível;
Escolha um produto e, em seguida, aperte em "Adicionar ao carrinho";
Caso queira adicionar mais um produto ao carrinho, toque em "Continuar comprando" e escolha-os;
Toque no círculo com uma seta, similar ao botão para enviar mensagens, para concluir a compra.
Após pressionar o botão, o pedido será enviado à loja para que seja efetuado, e estará presente na conversa para que tanto o vendedor quanto o consumidor tenham acesso. Segundo o WhatsApp, "um pedido não é finalizado até o vendedor confirmar o pagamento".

(Fonte: Bruno Gall De Blasi - Tecnoblog) - 08/12/2020
Google Play Pass traz 650 jogos e apps por R$ 9,90 ao mês

O Play Pass começa a chegar para todos nesta semana e a assinatura pode incluir até seis pessoas na Biblioteca da Família

O Google anunciou no final desta segunda-feira (7) a chegada do Play Pass no Brasil. O serviço é uma espécie de resposta da empresa ao Apple Arcade, em forma de pacote com assinatura mensal ou anual, que oferece acesso irrestrito para centenas de aplicativos e jogos pagos para Android.


Google Play Pass (Imagem: divulgação/Google)
Foto: Tecnoblog

Diferente do Apple Arcade, o Play Pass é mais amplo ao oferecer 6,5 vezes mais opções dentro da assinatura - que envolve tanto jogos, quanto aplicativos. Outro contraste está na contrapartida dos desenvolvedores. Na solução do Google eles não são obrigados a manter exclusividade com o Android, nem mesmo existe uma mão com dinheiro do gigante das buscas na criação dos apps.

Por dentro o funcionamento das assinaturas é muito semelhante: com o pagamento, todos os aplicativos e jogos podem ser baixados sem custo extra, não existem compras in-app e até a publicidade é removida, mesmo para os jogos que já são gratuitos. Uma aba extra é adicionada na Play Store e nela os jogos e apps ganham mais destaque.



O Google não detalha como é feito o pagamento para cada aplicativo ou jogo. "Os desenvolvedores ganham royalties com base em métodos de algoritmo que incorporam sinais que captam o quanto os usuários valorizam os tipos de conteúdo (de apps de clima a jogos independentes com foco na narrativa)", comenta o gigante das buscas em comunicado aos desenvolvedores.

Jogos famosos estão no Play Pass
Não existe uma lista completa com todos os 650 jogos e apps disponíveis na Play Store para assinantes do Play Pass neste exato momento, mas o Google destaca alguns como:

Terraria;
Monument Valley;
Risk;
Star Wars: Knights of the Old Republic;
Sonic the Hedgehog Classic;
Stardew Valley;
Hidden Folks;
Mini Metro;
Limbo.
Google Play Pass pode ser dividido com seis pessoas
Se você ficou animado, talvez precise esperar alguns dias para assinar. Eu testei aqui em dois aparelhos e nenhum deles exibiu qualquer alerta, mas ele será feito em publicidade nos banners da própria Play Store. A assinatura é concretizada ao tocar no menu no alto, à esquerda, e procurar Play Pass.

A assinatura pode ser testada por 10 dias corridos e ela vale para até seis pessoas na Biblioteca da Família, cada uma com acesso pessoal ao Play Pass. O valor está dividido em dois planos, sendo o primeiro com cobrança mensal e custando R$ 9,90, enquanto o segundo custa R$ 89,99 por ano.

(Fonte: André Fogaça - Google) - 08/12/2020
Listando: 10 de 1172

Anuncie

Sobre o Portal da Santa Ifigênia

O Portal da Santa Ifigênia foi lançado em 01 de janeiro de 2002, tendo como objetivo principal a divulgação de empresas e produtos comercializados na região da rua Santa Ifigênia no centro da cidade de São Paulo, focando-se principalmente em produtos voltados para a área de eletro-eletrônicos.